Advogado de Direitos Humanos

Advogado de Direitos Humanos

Os advogados de direitos humanos desempenham um papel crítico na defesa dos direitos humanos. Sua independência e proteção são essenciais.

Um advogado de direitos humanos é um advogado especializado em questões relacionadas à dignidade humana, igualdade e direitos civis. Os advogados de direitos humanos trabalham para moldar a lei, desafiar comportamentos injustos e garantir que todas as pessoas tenham acesso aos direitos básicos de privacidade, segurança e saúde. Eles normalmente trabalham com grupos vulneráveis ou marginalizados negociando para fornecer recursos, removê-los de situações prejudiciais ou obter justiça dos perpetradores de um crime. O papel de um advogado de direitos humanos é usar sua compreensão da lei para defender clientes que sofreram uma violação de direitos humanos.

Os advogados de direitos humanos podem se especializar em um tipo específico de assuntos de direitos humanos, incluindo:

  • Os direitos dos trabalhadores

  • Liberdade de expressão

  • questões LGBT

  • Tratamento de prisioneiros

  • Discriminação racial

  • Imigração e direitos dos refugiados

  • Condições de vida

  • Direitos humanos internacionais

  • Abuso doméstico

O que faz um advogado de direitos humanos?

Os advogados de direitos humanos são responsáveis por todos os deveres relacionados à representação de seus clientes em juízo, desde a realização de pesquisas jurídicas até a apresentação de argumentos perante um juiz. Algumas de suas tarefas mais importantes incluem:

  • Colaborar com organizações de ajuda para encontrar pessoas que precisam de ajuda legal em direitos humanos

  • Reunião com clientes para conhecer suas dificuldades e necessidades

  • Lendo leis de direitos humanos e estudando casos semelhantes

  • Elaboração de documentos legais para comunicação com o tribunal

  • Lendo sobre crises humanitárias em curso e questões internacionais de direitos humanos

  • Argumentar por compensação financeira e outras formas de acordos

  • Solicitar ordens judiciais de emergência para fornecer assistência imediata a clientes em necessidade

  • Informar os clientes dos seus direitos em diferentes situações

  • Gravação de declarações de testemunhas e preparação de provas físicas

  • Consultoria em legislação de direitos humanos

  • Organizar apoio público e manifestações para chamar a atenção para as injustiças de seus clientes

Para cumprir todos os seus deveres, os advogados de direitos humanos podem colaborar com outros especialistas jurídicos, paralegais e assistentes para ajudar nas tarefas de pesquisa e administrativas. Eles delegam tarefas à sua equipe jurídica e acompanham seu progresso para garantir que seus clientes tenham acesso contínuo a aconselhamento jurídico e cumpram todos os prazos judiciais.

“Advogado de direitos humanos” refere-se a qualquer advogado que preste aconselhamento jurídico a vítimas de violações de direitos humanos, independentemente de pertencer a uma associação profissional. Esses advogados realizam uma defesa profissional dos direitos humanos. Sua função merece proteção, pois o direito à assistência jurídica é um princípio fundamental do direito a um julgamento justo.

Para garantir direitos de julgamento justo, os governos devem evitar interferir nos direitos dos advogados de representar os clientes de sua escolha e de trabalhar nas questões que escolherem. Eles devem garantir que os advogados de direitos humanos tenham o mesmo nível de acesso e possibilidade de comunicação confidencial com seus clientes que qualquer outro advogado.

A independência das organizações profissionais dos advogados deve ser respeitada, e o cassação deve ser apenas uma medida administrativa destinada a garantir os padrões profissionais e éticos da profissão, e não uma punição dispensada pelo governo. Os Estados devem abster-se de interferir no funcionamento das organizações profissionais de advogados.

Os líderes em todos os setores da sociedade devem reconhecer publicamente o papel importante e legítimo dos advogados de direitos humanos na promoção dos direitos humanos, democracia e estado de direito, e evitar a estigmatização dos advogados de direitos humanos. Os Estados devem tomar medidas extras para garantir a proteção de advogados e juízes que correm maior risco devido ao seu duplo papel: como profissionais do direito e como defensores dos direitos humanos.

Nos últimos anos, intensificou-se a pressão sobre os advogados que trabalham com direitos humanos ou representam indivíduos que alegam que seus direitos foram violados. Essa tendência, tem graves consequências, com advogados de direitos humanos incapazes de trabalhar com segurança e eficiência, e seus clientes não impedidos de exercer seu direito de defesa e proteção legal. Ameaça o bem-estar das sociedades como um todo e o funcionamento dos Estados sob o estado de direito.

O aumento dos riscos e ameaças aos advogados de direitos humanos tem consequências graves, pois o trabalho dos advogados de direitos humanos deixa de ser eficiente e seguro e o princípio da confidencialidade é violado. Isso inevitavelmente resultará em uma perda de confiança nos instrumentos de direitos humanos em geral, incluindo tribunais internacionais e órgãos parajudiciais.

A popularidade dos advogados de direitos humanos em muitos países, como Intigam Aliyev no Azerbaijão, deve-se ao seu papel na proteção daqueles que sofrem violações dos direitos humanos. Como disse Xiao Guozhen:  “A crescente popularidade dos advogados de direitos humanos, especialmente entre os descontentes e oprimidos, e sua crescente influência nas mídias sociais, assustou nossos líderes a tal ponto que eles acharam necessário levar adiante a onda atual. de prisões em todo o país”.

Hoje, há uma dupla repressão: os governos restringem o gozo dos direitos humanos para todas as pessoas, e aqueles que defendem os direitos humanos temem represálias cada vez mais severas. Defensores de direitos humanos também são vítimas de leis que criminalizam seu trabalho. Os governos também usam métodos sofisticados para assediar, intimidar e punir os advogados que defendem aqueles cujos direitos foram violados.

Os advogados de direitos humanos estão entre os defensores de direitos humanos que correm maior risco, ao lado de mulheres defensoras de direitos humanos, defensoras dos direitos das minorias, defensoras da periferia, defensoras dos direitos das pessoas LGBT e defensoras dos direitos humanos que trabalham em questões de corrupção e eleições.

O que os advogados de direitos humanos fazem?

O direito dos direitos humanos consiste em questões relacionadas à dignidade humana, igualdade e direitos civis. Um advogado especializado em direito dos direitos humanos concentra-se em defender, abordar e moldar as leis relativas a essas questões, garantindo que todos os seres humanos tenham os mesmos direitos e dignidades básicos. Trabalhar em direito dos direitos humanos pode ser uma carreira gratificante, mas também pode ser um desafio tanto em termos de trabalho quanto emocionalmente.

Para decidir se o direito dos direitos humanos é ou não uma carreira que você gostaria de seguir, montamos um pequeno guia para você. Abaixo, você pode obter uma visão geral do que um advogado de direitos humanos faz, além de dicas sobre como se tornar um advogado de direitos humanos. Também forneceremos perspectivas de emprego e médias salariais para esta carreira jurídica significativa.

Uma Visão Geral da Lei dos Direitos Humanos

Aqueles que trabalham no direito dos direitos humanos estarão lidando diariamente com questões relacionadas à dignidade humana, igualdade e direitos civis. O principal trabalho de um advogado de direitos humanos envolve defender aqueles que sofreram violações de direitos humanos e trabalhar para moldar as leis para garantir a igualdade e os direitos civis para todos. Você pode optar por praticar a lei de direitos humanos nos Estados Unidos ou se concentrar na lei internacional de direitos humanos.